Papa Francisco prestes a fazer apelo a MR

By : MR


 

 

Depois de ter apelado a Wall Street para que deixasse de ganhar dinheiro de forma dúbia e denunciado a ineficiência do atual modelo económico, o Papa Francisco, como bom crente que é, voltou a fazer um fútil apelo. O Papa Francisco (ou "Chico" como PVD lhe chama) apelou á Mafia Italiana para que parasse de "praticar o mal". E não parece que o Papa queira ficar por aqui.

 
Fontes indicam que o próximo alvo da intervenção do Papa sou eu.
 
"Esse jovem bebe demasiada Coca-Cola e neglicencia por completo a Pepsi. Eu tenho bons motivos para crer que Sua Santidade o Papa quererá interceder nesta iniquidade. Ele não percebe o mal que está a fazer á Pepsi.", a nossa fonte anónima disse.
 
Mesmo tendo em conta as boas intenções do Papa, gostaria de lhe apelar para que deixasse de fazer apelos a que ninguém vai dar ouvidos. Temo, no entanto, que o Papa não vá prestar atenção.

 

A Casa da Gasosa

By : Space_aye

Pois é amigos gargulistas, eu, o PVD e o JF fomos ao cinema recentemente ver "A Casa Silenciosa". Pareceu-nos giro ver mais um filme de terror depois do "Insidious II", que o JF não gostou nada mas eu como estava com o período (?) agarrei-me à cadeira durante quase todo o tempo.
Desta vez conseguimos estar todos em sintonia: O filme foi de facto muito fraquinho.
Vejam o filme e digam-me se o realizador não podia ter feito muito melhor tendo este "facto verídico" como inspiração:
Na década de 40 no Uruguai, os corpos de dois operários foram encontrados dentro de uma casa em um pequeno vilarejo. Ao lado dos corpos a polícia encontrou várias fotos tiradas com uma máquina polaroide e desde então o caso se tornou um mistério.
Devo dizer-vos que apesar de ter mudado o penso 5 minutos antes, não me surpreendi sequer em nenhum momento do filme. Segundo o PVD nada disso é surpreendente, tendo em conta que o filme era de muito baixo orçamento.
Eu pergunto-me o que será que eles inventaram como "custos" para pedirem o subsídio lá às autoridades dos States. Provavelmente nem foi preciso pedirem, deviam ter um mialheiro algures esquecido que deve ter chegado para pagar os candelabros (o único custo relevante do filme, segundo o PVD).
Mas deixemos-nos de conversas e vamos ao que interessa, porque já sabem que quando eu abro um post a falar de um filme nunca é uma referência engraçada para fazer uma critica social construtiva: é sempre para fazer o guião de um filme ainda pior (e olhem que este vai ser um grande desafio!). Mas como há sempre uma forma de ver as coisas do lado positivo, pelo menos não fomos ver (again) o "Destruir depois de ler".

Desfrutem:


A Casa da Gasosa

O filme começa com o papá PVD e a menina do papá MR a encontrarem-se e falarem de coisas que não têm nada a ver com o que vão fazer a seguir.

Papá PVD - Então querida? Já deixaste aquele stalker do facebook? Olha que ela anda a comentar muitas fotos tuas com o teu novo look...

Menina do papá MR - Oh, isso era o tio, ele às vezes faz umas piadas muito engraçadas -.-'

Tio JF - Quem eu?? Eu não fiz nada, estou inocente!!!

Papá PVD - JF, cala-te pá!

Menina do papá MR - Não consigo ver nada, não há luz?

Tio JF - Não, a EDP cortou-nos a eletricidade. Já não pagamos a conta há dois meses. Tentei enviar um email ao vereador Pizarro mas ele respondeu que "não é relações públicas da EDP", eu isso já tinha percebido...

MR - Que maçada...

PVD - Bem, não há problema que eu trouxe aqui a minha caixa de ferramentas: Isqueiro, botija de gás, panelas, lanterna, bússola, tenda (para o caso de não darem com os quartos), sacos-cama, colchonete, cobertores de lã, comida e bebida.

JF - Porque raio é que foste trazer isso tudo?!

PVD - Ando sempre com isto para todo o lado.

MR - Está ali um grande buraco na parede!

PVD (aponta a lanterna) - Realmente. Assim não vou conseguir arrendar a casa, raios pá! (começa a brincar nervosamente com o seu isqueiro a gás)

JF - Ah, isso? Devem ter sido uns desempregados que andam por aí. Não tinham nada que comer à noite.

PVD - Incompetente! Permitiste que isto acontecesse?!

JF - Não foi culpa minha, a casa está em nome de quem?

PVD - Não venhas com essas desculpas!  Querida, vamos ter que ficar a resolver estas questões técnicas durante uma parte do filme.

MR - Ok, ok! Já sei, vou dar uma volta à casa a ver se me mete medo.

Menina do papá MR começa a percorrer o primeiro andar da casa com a sua lanterna até que houve baterem à porta e vai abrir.

MR - Sim?

Rapariga desconhecida - Olá! Não me conheces?

MR - Hum...agora assim de momento não estou bem a ver.

Rapariga desconhecida - De certeza que te vais lembrar de mim! AR, diz-te alguma coisa?

MR - Hum...AR...?

AR - Então não te lembras daquele verão lésbico que passamos juntas em 2004?

MR - Uh...não estou a ver não...Bom olha que tal então marcarmos um cafezinho para amanha as 17h, pode ser?

AR - Aceito! Até amanhã!

MR - Até amanhã, adeus!

Ufff, finalmente consegui despacha-la!, pensou MR

MR (ouvindo barulho lá em cima) - Papá?

Sobe as escadas ao seu encontro.

PVD - Querida, conseguimos finalmente tapar aquele buracão. Não tinhamos cimento, por isso usamos pastilhas elásticas, mas pegamo-nos novamente porque o teu tio miserável não é capaz de mastigar mais do que 5 pastilhas elásticas ao mesmo tempo em menos de um minuto. Um minuto! Faz-se muita coisa num minuto! Num minuto já teria mudado quatro lâmpadas! (Fica a praguejar sozinho).

MR - Que dois...nem parece que são irmãos...

MR continua a dar passos aborrecidamente na casa sombria até que olha em volta e não vê nem ouve sinais do tio ou do pai.

MR - Papá? Titi? Hello? Onde estão??

Continua à procura até que ouve a voz do pai.

PVD - Filha!

MR - Papá? Sabes do tio?

PVD - Sei lá, anda praí!

MR - Que fotos são estas?

PVD - Uh? Isto? Ah não tem importancia! É só...pornografia.

MR - Estou a começar a entrar em pânico, O-K?! Temos de encontrar o titi!

PVD - Sim, vamos à procura dele.

MR - Papá, da-me a mão, tenho medo!

PVD - Filha...não tenhas medo porque a casa não está assombrada, porque para ser assombrada teria que ter luz, e dado que não tem luz não pode produzir sombras, logo...Mas espera lá, há aqui um erro neste silogismo perfeito...O perfixo a...a-ssombrada, a-teísmo, a-religioso...NÃO...! ( musica de suspanse)

PVD - Bom, nevermind. A pedra é dura! Vamos em frente.

Mas eis que PVD não consegue ver os degraus das escadas e mal se afasta um pouco de MR cai e bate com a cabeça no chão. MR só consegue ouvir o barulho da queda.

MR - Papá?...Papá?!

Não obtém resposta

MR - Papá, estas a deixar-me bueee stressada! Vou ver onde é que tu estás.

Passado algum tempo, MR dá de caras com o corpo estendido de PVD, rijo como uma pedra.

MR - Papá!!!

MR fica aterrorizaada, mas tranquiliza-se um pouco ao ver que PVD ainda respira. Continua a ouvir barulhos estranhos e a vaguear pela casa.

MR - Estão ali umas garrafas de coca-cola. Estou a ficar com sede, vou beber uma.

MR pega numa das garrafas em cima de uma mesa, mas quando olha para o rótulo dá um salto para trás e emite um grito de terror avassalador. Tratava-se de uma garrafa...de pepsi.

MR - Horror!

Começa novamente a ouvir barulhos estranhos. Mas parece que eram só da sua barriga a dar horas.
Desta vez ouve Passos. Mas desliga a tv com o comando. Começa a ouvir Portas. Desliga o botão do rádio. Esconde-se debaixo da mesa. O seu corpo treme por todos os lados.
É então que vê finalmente algo de humano. Formas na escuridão! Pernas a andar. Era um senhor com uma bengala parecida com a dr. House.
MR vê o homem segurar uma menina em cima da própria mesa.

Homem (ou pernas de homem parecido com o Dr. House) - Vamos jogar a um jogo muito divertido. Vês? Eu disse que era bom.

MR treme apavorada, mas contem-se para não emitir qualquer som a fim de chamar a atenção da sua presença.

Momentos depois, as figuras desaparecem e MR regressa a solidão no escuro.

MR - Bem, vou continuar a correr e a fugir como fazem em todos os filmes de terror.

(10 minutos depois)

MR - Titi JF!!!

JF - Calma, menina! Eu não fugi.

MR  - Titi, que fotos são essas?

JF - Fotos? Uh...ah! Isto...são do meu casamento.

MR - Qual casamento? Tu não casaste...

JF - Mas vou casar! Um dia. Estou a...ver fotos do meu futuro casamento, é isso!

MR não compreende nada mas depressa se esquece daquele momento.

MR - Encontrei o papá estendido no chão. Temos de fazer alguma coisa! Estou bueee stressada!

JF - Claro que sim.

MR - Eu acho que foram os desempregados. Está alguém cá em casa.

JF - Canalhas! Aprendam a trabalhar num call-center 3 horas por dia como eu!!!

Seguiram os dois de mão dada pela casa a apontarem para todos os cantos com a lanterna.

Derepente JF também desaparece.

MR - Titi?! Titi!!!

Subiamente, toda a configuração da casa se altera. O teto e as paredes começam a ganhar buracos estranhos por todo o lado. A casa de banho começa a ter o período pela sanita. MR fica completamente apavorada! Pior ainda quando vê AR na sua frente.

MR - ...Tu?

AR (ainda a apertar as calças) - Eu? Sou apenas tu! És tu quem está a fazer isto. Vê o que eles te fizeram.

É então que olha para as mãos e vê o taco um baseball ensanguentado. Apercebe-se que foi ela quem atingiu o pai e o tio.

PVD está atado e amordaçado no chão, já com os sentidos recuperados. JF a pouco e pouco também os recupera.

JF - Querida não tens de fazer isto!

MR - Ai não tenho? Porque não? Diz lá! Vamos jogar a um jogo...tenho a certeza que vai ser bom.

Pega no gargalo de uma garrafa de pepsi e tenta enfia-la na boca de JF, que tenta resistir.
Mas MR está com remorsos e ainda mal compreende o que está a fazer e o porquê.

JF - Não fiz por mal. A culpa é do PVD!

MR - Não fizeste por mal, pois...como explicas isto?!

Atira pelo chão as fotos que PVD e JF tiraram de MR durante a sua infância. MR a beber uma pepsi de litro e meio. MR no supermercado junto da secção das pepsis. MR a visitar uma fabrica de pepsis. MR a fazer pose junto da mascote da pepsi no Parque das Nações. E até MR a vaiar Cristiano Ronaldo em campo!

MR - Foi isto que vocês me obrigaram a fazer, seus trastes!!

Arranca a mordaça a PVD.

PVD - Au! Fizeste-me a barba. Agora vou ter de a deixar crescer por mais dois anos inteiros, damn!

MR - É isso que tens a dizer em tua defesa? - Pergunta MR com ar ameaçador.

PVD - Não! O teu tio é um idiota! Ele nem tinha coragem de beber a pepsi connosco, perferia ficar só a ver!

MR irrita-se ainda mais e começa a deitar tudo cá pra fora.

MR (vomitando) - Desculpem, caiu-me mal o almoço. Mas continuando, acham isto bem?! Acham que pepsi é o mesmo que coca-cola? Que seu sabor caramelizado e adocicado é minimamente semelhante ao da coca-cola a ponto de sequer lhe chegar aos calcanhares?! Acham bem a publicidade que a pepsi fez na Suécia a meter o bonequinho do Ronaldo atado numa linha de comboios? Mereciam levar três pirocadas do Ronaldo pelo cu acima como ele deu aos suecos!

PVD e JF não respondem pois sabem o que lhes pode acontecer em breve.

MR pega numa arma e aponta a JF.

JF - Calma! Antes de permires o gatilho, tenho aqui a minha defesa, escrita pelo meu advogado Space_aye. Diz aqui que eu não sou co-autor do crime de coação com recurso a pepsi engarrafada mas mero cumplice, na medida em que só tirei as fotografias e comprei as pepsis. Além disso estás a fazer uma alteração substancial dos factos a misturar isso tudo, o que diminui as garantias ao arguido.

Mas MR não se mostra com cara de quem está preocupada com o arguido ser sujeito ou mero objeto processual e mantém-no em mira.

JF - Querida, eu não tenho de morrer hoje. Há tantas coisas que ainda não fiz...Nunca bebi uma coca-cola de marca, nunca senti nos dedos uma moeda de 2€ na vida...

MR perpetra o final de filme mais óbvio possível. Aponta a arma a PVD e dá-lhe um tiro.


FIM












Os Gárgulas, o Messias e o Espirito Santo

By : MR


Estava eu na minha busca incessante para encontrar algo que escrever no interessantíssimo blog em que escrevo (que só por acaso é este) quando saí de casa aborrecido.

 - Será que vou encontrar qualquer coisa sobre a qual escrever hoje? - Perguntei para mim mesmo antes de responder - Suponho que não. Bem, não é como se alguém lesse mesmo os posts que eu escrevo por isso não se perde muito.

Assim que terminei esta frase fui interrompido por PVD que passava por ali na sua busca incessante pelo Espirito Santo (tinha-o colocado numa caixa na noite anterior mas Space Aye como o bom ateu que é decidiu solta-lo para que PVD deixasse de acreditar nele).

 - MR, meu filho, poderias ajudar-me a encontrar o Espirito Santo? Eu tinha-o guardado numa caixa ontem, mas hoje quando lá fui para consumir um bocado da presença d'Ele, eu reparei que já não lá estava. - PVD disse-me. Eu não conseguia parar de olhar para ele incrédulo com o que acabara de ouvir.

 - Esse "Espirito Santo", é um eufemismo qualquer para a tal droga que você nos deu da outra vez? - perguntei com algum receio (ver http://osgargulas.blogspot.pt/2013/05/os-gargulas-e-o-messias.html).

 - Não, não. O Espirito Santo de que te falo é mesmo aquele que enquanto José não estava a ver engravidou Maria... - PVD respondeu, adicionando pouco depois - Sem que sexo estivesse envolvido obviamente.

 - Meu caro, acho que já falamos deste assunto. É muito difícil que alguém, num século em que não existia fertilização in vitro, nascesse sem que algo o provocasse. - Eu disse a PVD que receoso olha de imediato para os céus. Só há uma (ou duas, não sei bem) figura (s) que o PVD teme, visto que o PVD é o PVD, e essa figura é Jesus Cristo (Ou Jesus Cristo e Deus, como disse eu não sei bem). De imediato lembrei-me deste facto e olhei para os Céus e disse:

 - Será que?

 - Meu filho, porque tu disseste algo tão ateu, Cristo irou-se e vai agora descer para discutir contigo. - PVD respondeu temeroso do que estava para vir.

 - Ateu? Se por ateu quer dizer lógico, sim eu disse algo muito ateu. - Respondi prontamente.

 - O que se passa aqui? - Jesus perguntou ao descer dos Céus. - Estou a ver que tu ainda não acreditas que a minha mãe é virgem.

 - Claro que não. - Respondi algo aborrecido. Não conseguia acreditar que estava a discutir algo tão obvio de novo. Porquê que me tinha que acontecer a mim?

 - E porque não? - Jesus perguntou.

 - Porque não faz sentido nenhum. - Insisti.

 - De facto não faz. Mas eu sou o Messias. Não tem que fazer sentido para ser verdade. - Jesus respondeu com autoridade.

 - Parece-me que já ouvi esta balela em algum lado. - Respondi pensando nos dias em que era ingénuo que chegue para acreditar nessa mesma balela que agora rejeitava.

 - O quê que tudo disseste? - Jesus respondeu irado antes de se acalmar - Sinceramente, Deus me livre. Tu nunca aprendes.

Nos Céus, uma voz surge muito mais irada do que alguma Jesus poderia alguma ficar que diz:

 - Filho! Eu avisei-te!

 - Perdoa-me Pai! Foi por causa daquele herege. - disse apontando para mim enquanto eu olhava estupefacto para os Céus. Devo dizer que estou desapontado. Para alguém que se predispôs a morrer pelos meus pecados, ele não se fez rogado na altura de desviar a culpa. Suponho que ele esteja á espera que eu faça o mesmo pelos dele.

 - Sendo esse o caso, eu vou deixar passar. - Deus respondeu.

 - Porquê, Pai? - Jesus perguntou.

 - Porque ele escreve n'Os Gárgulas, o melhor blog que já li, como tal não lhe devo fazer mal. - Deus respondeu.

PVD, vendo que o próprio Senhor tinha descido dos Céus, decidiu tomar a iniciativa de lhe falar. Suponho que tenha sentido que falar com o Senhor sem ter que se drogar ou ajoelhar também era uma boa forma de iniciar uma conversação com o Senhor. O Senhor, na sua bondade, aceitou. Suponho que estivesse bem disposto, visto que normalmente tais informalidades como falar-lhe sem estar drogado ou ajoelhado, ou falar-lhe não acreditando nele, normalmente têm como resultado a ignorância do Senhor para com aqueles que lhe falam mesmo que precisem desesperadamente da sua omnipotente ajuda. O que se pode dizer? Manias...

 - Senhor, temos um problema... - PVD começou por dizer ao Senhor esquecendo da omnisciência do mesmo. Se há alguém a quem não devíamos de ter que dizer que há um problema é ao tipo que tem a mania que sabe tudo, porque neste caso ele sabe mesmo, ou assim eu pensava até que o Senhor respondeu perguntando:

 - O que se passa desta vez? Queres tentar converter o Space Aye mais uma vez? Esquece meu filho, o Space Aye nunca se irá converter. Eu já tentei mostrar-me a ele das mais variadas formas e ele continua a não acreditar em mim. No outro dia até joguei xadrez com ele e tudo. Foi uma excelente partida, mas quando lhe disse que eu era o Senhor ele começou a rir e saiu. Eu até substitui a excelente carreira que ele estava a fazer no Mafia Wars por um vídeo em que eu lhe explicava os segredos do Universo. Excusado será dizer que não funcionou. Nem o meu filho, que morreu pelos pecados daquele herege, o conseguiu convencer do contrário, como tal suponho que nada conseguirá. - O Senhor respondeu desiludido consigo mesmo.

 - Como assim "os segredos do Universo"? - PVD perguntou com ciúmes.

- Exatamente isso. Os segredos do Universo. - O Senhor respondeu de forma clara e inequívoca.

- Incluindo como fazer o Cheesecake divino? - PVD perguntou quase em lagrimas.

- Incluindo isso. - O Senhor respondeu.

- Como pode? O Senhor prometeu-me que me iria revelar esse segredo a mim a mais ninguém. - PVD disse num estado de choque.

- Recompõem-te, PVD, tu continuas o meu elegido. Tudo o que fiz foi para que o Space Aye acreditasse em mim. Como vês não foi o suficiente. Mais a mais, eu sou o Senhor. Não que te deva satisfações mas eu não tenho que cumprir as minhas promessas. Afinal eu sou Deus, o teu Senhor. Como tu és o PVD, eu peço-te desculpa porque de facto mereces que tenha pelo menos essa consideração por ti. Afinal tu és o PVD. Mas se fosses qualquer outro certamente não o faria. - O Senhor respondeu com arrogância.

- Sinceramente... - Eu respondi esperando que o PVD se irasse pelo menos contra a arrogância que o Senhor demonstrava. Sinceramente, eu é que devia estar drogado por esperar tal coisa visto que ao invés testemunhei uma resposta completamente diferente.

- Sim, Pai Nosso que habitas nos Céus. Faça-se a tua vontade, tanto aqui como nos Céus, amém. - PVD respondeu.

- Era isso que você lhe queria perguntar, PVD? - Eu perguntei ao PVD.

- Ainda bem que me lembras meu filho. - Ele respondeu-me antes de se virar para o Senhor - Senhor, o Espirito Santo que deixaste ao meu cuidado desapareceu.

- Como? - O Senhor perguntou estupefacto - Como é que isso foi acontecer?

- Não sei, Senhor. De inicio pensei que este Mórmon que aqui vês - disse apontando para mim - o tivesse roubado, visto que os Mórmons dizem ter o dom do Espirito Santo e afirmam poder senti-lo com uma frequência proporcional á sua fidelidade ao livro herege que leem e ás partes da Bíblia que julgam compatíveis com a sua crença igualmente herege.

- Meu caro, primeiro que mais eu sou ex-Mórmon, como tal não tenho interesse nenhum nesse pseudo-artefacto que é o Espirito Santo. Segundo, mesmo que tivesse não o roubaria. Isso vai contra o meu código de conduta moral. Eu sigo o imperativo de Kant: "Age apenas segundo uma máxima que possas ao mesmo tempo querer que se torne lei universal". - Eu respondi algo ofendido com a sugestão de que eu roubaria alguma coisa. É que nem sequer se tratava de uma Coca-Cola!

- De facto. Eu esqueci-me desse detalhe. De facto continuas um herege, mas pelo menos já não és Mórmon. - PVD respondeu.

- E então? O que farás sobre isto, PVD? - O Senhor perguntou algo chateado.

- Eu irei recuperar-lo. Garanto-lhe. - PVD respondeu.

- Ainda bem. Como tal, dar-te-ei um incentivo. - O Senhor disse virando-se para PVD - Tu procurarás o Espirito Santo dia e noite e se o encontrares tudo estará bem, mas se não o encontrares...

- Se não o encontrar... - PVD repetiu algo temeroso.

- Tirar-te-ei todos os teus poderes e lançar-te-ei a eterna condenação. - O Senhor concluiu.

- Senhor, porquê? - PVD perguntou.

- Porque me apeteceu. Assim é mais divertido, não achas? - O Senhor respondeu com uma expressão que indicava que se sentia divertido. Suponho que o Senhor também necessite de entretenimento de vez em quando. Visto que hoje em dia já não pode inundar a Terra sempre que lhe apetece.

E assim do nada, antes que eu lhe pudesse perguntar sobre a inconsistência entre a omnisciência d'Ele e a sua falta de conhecimento do que se passava com o Espirito Santo, o Senhor decidiu deixar-nos para a nossa busca ao Espirito Santo. Suponho que até o Senhor ache um bocado demais saber o que o AR faz na casa de banho. Sinceramente, eu bem o entendo. Eu nem sequer quero pensar nisso. Como tal, avancemos. Assim do nada eu, o PVD e Jesus Cristo estávamos em busca de recuperar o Espirito Santo, eu mais por arraste do que por outra coisa, afinal se assim não fosse como poderia eu narrar este post? Eu que pretendia passar o resto do dia a ler o grande Christopher Hitchens acabo por me ver envolvido numa busca completamente oposta ao meu intento inicial. Enfim, a vida tem destas coisas. Se calhar o Senhor achou por bem evitar que eu re-lesse "deus não é Grande: Como a religião envenena tudo" roubando o Espirito Santo e obrigando-me a mim, ao PVD e ao seu filho que é ao mesmo tempo ele mesmo a procurar por ele.

Decidimos, portanto, descer pela Avenida dos Aliados. Procuramos por ele dentro do edifício da Camara, mas sem sorte. Lá encontramos um homem que chorando murmurava:

- Como pude eu não ganhar? Eu, o mais portuense de todos os ex-presidentes da Câmara de Gaia.

Assim que ouvi o que ele dizia tornou-se obvio que se tratava de Luiz Felipe Menezes. De imediato pensei em perguntar-lhe porquê que a água em Gaia era tão cara, mas de imediato lembrei-me que tal não sortiria efeito prático algum e só serviria para me distrair do meu propósito. "Será que isto era uma armadilha do Senhor?", pensei eu,"Ou será de Satanás?". "Não importa", pensei eu, "Vamos mais é encontrar o Espirito Santo que eu estou a ficar com fome e o Benfica joga hoje". E assim deixei Luiz Felipe Menezes a chorar na sua gravata laranja num canto abandonado da Camara do Porto. Antes de sair questionei-me se Rui Moreira sabia que Luiz Felipe Menezes lá estava. Decidi que isso não importava muito e concentrei-me de novo na busca pelo Espirito Santo.

Nós procuramos durante o dia todo sem quaisquer resultados até que encontramos o Space Aye no Dolce Vita. Logo que ele nos viu perguntou-nos o que fazíamos lá, ao que respondi:

- Procuramos o Espirito Santo.

- Tu também, MR? Não me digas que o PVD te converteu para o conto de fadas dele. - Ele disse-me claramente divertido.

- Claro que não. - Eu respondi contendo-me.

- Olha quem é ele. Então "messias" como vais? - Space Aye perguntou a Jesus.

- Estava melhor antes de te ver, herege. - Jesus respondeu.

- Sinceramente. Não sabes que tratar as pessoas assim é de mau tom. Que raio de "messias" és tu? A tratar as pessoas dessa forma. - Space Aye zombou.

- Existem pessoas a quem não vale a pena tratar bem.- Jesus respondeu chateado.

- O que aconteceu a dar a face? Esqueceste a tua própria doutrina? Que chocante. - Space Aye disse num tom claramente sarcástico.

- De qualquer das formas, não nos incomodes. Estamos á procura do Espirito Santo. - Jesus respondeu.

- Sim, sim. E eu sou Zeus. - Space Aye afirmou numa tentativa de provocar Jesus.

De facto Jesus ficou algo irado depois daquela tirada do Space Aye, mas logo se acalmou e de novo se concentrou em procurar o Espirito Santo.

- Ok, sendo assim eu vou convosco. Eu ia ver o Jogos da Fomeca 2, mas suponho que possa deixar isso para outra altura. - Space Aye anunciou algo entusiasmado. Eu fiquei surpreendido pois o Space Aye não costuma abdicar de ver os seus filmes preferidos até á exaustão tão facilmente. Comecei a suspeitar algo, como isto é um post Gargulinio e um build-up demasiado elaborado seria um desperdício de tempo perguntei-lhe logo:

- Space Aye, você tem algo a ver com isto, não tem?

- Sim. Fui eu que soltei a coisa. - Ele respondeu sem preocupação alguma.

- Eu devia ter adivinhado. - PVD suspirou.

- Então tu não sabias? Deus não to disse? - Space Aye perguntou surpreendido.

- Não, não me disse. Ele nem sequer sabia o que tinha acontecido. - PVD respondeu.

- Então? Ele não era suposto de saber tudo? Rica omnisciência. - Space Aye disse surpreendido.

- De facto, mas prontos, acontece. Ele é o Senhor, como tal pode tudo, inclusive falhar. - PVD afirmou sem pensar muito.

- Mas se ele pode falhar, isso não significaria que ele não é omnipotente? - Eu perguntei.

- Mas se ele não falhar, como é que ele pode tudo? Falhar tem que ser uma das opções. - PVD afirmou tentando assim acabar a discussão.

Eu passei meia-hora a pensar no paradoxo que tínhamos criado. Decidi depois que não importava muito visto que a omnipotência de uma forma ou de outra é impossível. Com este pensamento em mente avancei com PVD, Jesus e Space Aye para o Estádio do Dragão onde encontramos JF.

- JF? O que fazes aqui? - Perguntei eu.

- Ah, estava á procura de uma moeda de dois euros. - JF respondeu.

- Ah, estou a ver. - Respondi sem mais dizer.

Nisto apareceu um exercito de gatos pretos.

- Porquê que eles tinham que aparecer agora? - JF perguntou.

- Tu conheces estes gatos pretos? - Eu perguntei enquanto os gatos pretos nos cercavam.

- Eu devo-lhes um euro e noventa e nove cêntimos. - JF prontamente respondeu.

Os gatos atacam seguidos de garrafões e outras coisas que normalmente não teriam vida. Isto até que PVD decide intervir depois de terminar a partida de xadrez contra Jesus. Obviamente Jesus perdeu. PVD logo afastou os gatos pretos e os restantes agressores que fugiram rolando dali para fora.

Nisto olhamos para dentro do estádio e dentro vimos o Espirito Santo em pessoa. Na verdade devo admitir que fiquei algo desiludido. Eu esperava algo melhor. O Espirito Santo parecia-se mais com um guna (vulgo Super Dragão) do que com uma entidade divina.

- Que desilusão. - Acabei por dizer.

- O quê que te aconteceu? - PVD perguntou-lhe surpreendido.

- O quê que tu queres, caralho? Queres discutir é, é? Queres pancada é, é? - O guna, perdão, o Espirito Santo perguntou.

- Space Aye o quê que tu lhe fizeste? - PVD perguntou ao Space Aye que prontamente responde:

- Eu raptei-o enquanto ele dormia e deixei-o á beira do Estádio do Dragão. Nunca pensei que o resultado fosse tão divertido. - Space Aye disse enquanto se ria.

- Mas tu 'tás te a rir-te do quê, pá? Foda-se, um gajo já não pode apoiar o FêCêPê em paz. Que merda de país. - O guna, perdão, o Espirito Santo disse num tom ameaçador.

- E perigoso também. - Adicionei ao comentário do Space Aye.

- Ouve, Espirito Santo, o Pai quer que nós regressemos. Já passa da hora do jantar. Vamos lá, ok? - Jesus diz-lhe.

- Podes ir á frente se quiseres, eu não vou a lado nenhum. Vemo-nos depois. - Disse o Espirito Santo antes de começar a correr.

Ainda pensamos em correr, mas como se tratava de uma entidade divina concluímos que não valia a pena. Nem Jesus parecia confiante de o conseguir apanhar.

- Epá, eu vou mais é para casa que eu já não bebo uma cola á quase duas horas. - Eu disse cheio de sede.

- Agora não é altura de pensar em beber Coca-Cola. Se eu não recuperar o Espirito Santo, estou tramado. - PVD disse pensando na ameaça que o Senhor lhe fizera. E boas razões tinha ele, afinal o Senhor tem um histórico de fazer coisas bem piores por muito menos.

- Mas o quê que vamos fazer? Nós nem sequer sabemos onde é que ele foi. - JF perguntou a PVD.

- Suponho que tenhamos que o procurar. Não nos resta mais nada. - Comecei por dizer até que me lembrei que me apetecia beber Coca-Cola - Mas espera aí para quê que estou aqui? Eu nem sequer acredito em nada disto.

- Ok, se me ajudares eu pago-te uma cola. Que tal? - PVD perguntou pouco convencido de que eu aceitaria.

- Ok, parece-me bem. - Respondi surpreendendo PVD.

Após esta perca de tempo (não me ocorre melhor descrição) nós apanhamos o metro saindo na estação da Trindade e descemos para a Avenida dos Aliados onde encontramos o Espirito Santo a fazer um grafiti na Camara. "Espirito Santo rocks! Fuck the Police!", podia-se ler na parede. Dava para ver que ainda era um novato pois ninguém gasta tinta a escrever algo tão cliché quanto aquilo.

- Olha, lá está ele. - Eu disse apontando para o Espirito Santo.

- Vamos apanha-lo. - PVD respondeu antes de carregar sobre o Espirito Santo que se desviou e começou a correr. JF começou a correr atrás dele mas o Espirito Santo conhecendo a fraqueza de JF atirou uma moeda de dois euros ao lado oposto daquele para o qual ele seguiu. JF, sem nunca ter tido grandes chances de resistir, fez exatamente o que o Espirito Santo esperava dele. Space Aye ficou parado a ver tudo isto. Presumo que estivesse entretido afinal tinha sido ele que tinha começado tudo isto. Jesus, vendo isto, decidiu correr atrás do Espirito Santo como se a sua vida disso dependesse.

Após isto perdemos noção de onde estava Jesus.

- Boa, agora também não sabemos onde o Jesus foi parar. - PVD exclamou num tom consternado.

- Rico messias! Nem sequer apanhar um guna consegue. - Space Aye disse zombando com Jesus.

- Aquilo não é um guna qualquer; é o Espirito Santo! - PVD replicou.

- Ah, quero ir para casa. - Eu exclamei olhando para o grafiti que o Espirito Santo deixara nas paredes da Camara.

- Suponho que já não tenha que te pagar uma cola. - PVD respondeu.

Ao ouvir aquelas palavras, decidi que iriamos apanhar o Espirito Santo. Compenetrado neste objetivo comecei a pensar em formas de o conseguir fazer. Depois lembrei-me de algo que tinha lido no Livro de Mórmon e exclamei:

- Eureka! - algo irónico tendo em conta a fonte da ideia - Já sei como poderemos apanhar o Espirito Santo.

- Como, meu filho? Eu estou a ficar cansado de correr de um lado para o outro e já está na hora de eu voltar para a minha paróquia para ver se descanso para a missa de amanhã. - PVD perguntou.

- Mas nós vamos precisamente para a sua paróquia. - Eu anunciei.

- Como assim? - JF perguntou.

- Sim, por acaso até estou curioso, se bem que não tenha interesse nenhum nisto. - Space Aye disse.

- Eu explico quando lá chegarmos. - Eu respondi.

Uma vez lá, eu comecei a explicar o meu plano:

- O Espirito Santo por esta altura deve estar a beber até cair para o lado. Antes que ele entre em coma alcoólico temos que o invocar.

- Invocar o Espirito Santo? - JF perguntou.

- Sim. Se fizermos alguma coisa de teor religioso, o Espirito Santo terá que vir ao nosso encontro. De outra forma não nos conseguirá convencer de que nós não estamos a fazer figuras tristes e dessa forma não estará a fazer o seu trabalho. - Eu expliquei.

- Mas o que te convence que ele virá? - PVD perguntou-me cheio de curiosidade.

- É fácil. Lembra-se de que o Jesus estava com medo de ser crucificado de novo. De quem é que Jesus tem medo? Do Senhor. Logo, com o Espirito Santo deve ser a mesma coisa. Como tal, se nós sairmos desta missa que você nos vai dar agora convencidos de que tudo o que nos disse é balela, o Senhor ficará seguramente chateado com o Espirito Santo. E mesmo nesta fase rebelde, tenho a certeza que o Espirito Santo não quererá ser de novo transformado numa pomba. - Eu expliquei.

- Não tenho a certeza de que isto irá funcionar, mas não posso dizer que tenha uma ideia melhor. Ok, meu filho, vamos avançar com o teu plano. - PVD respondeu.

- Serei eu o único a pensar que isto é um absurdo? - Space Aye perguntou. Prontamente respondi-lhe, dizendo:

- Não, mas por uma coca-cola faço tudo. - Disse antes de repensar - Afinal, não. Quase tudo. Beber Pepsi é algo que está sempre fora de questão.

- Incluindo vender a alma ao Diabo? - JF perguntou.

- Não vejo porque não. Estou neste momento a tentar recuperar um pseudo-artefacto pertencente a uma besta quadrada cujos atos de maldade ultrapassam em larga medida qualquer ato de maldade perpetuado por um ser humano. Pelo que não vejo porque não.

- Faz sentido. - Space Aye assentiu.

Nisto apareceu o Diabo que tendo ouvido as minhas palavras vinha, junto com a chave da fábrica da Coca-Cola em Sevilha, preparado para selar um contrato em que invariavelmente eu lhe teria que entregar a minha alma.

- E agora o nonsense aumentou. - Space Aye disse conformado com o disparate que o rodeava.

- Boas, eu sou Satanás e tenho uma oferta para lhe fazer. - Disse com uma voz profunda.

- Uma oferta? O que me quer ofertar? - Perguntei curioso.

- A chave para a fábrica da Coca-Cola em Sevilha. - Respondeu confiante.

- A sério? - Perguntei maravilhado com a perspetiva de passar o resto dos meus dias a beber Coca-Cola extraída diretamente da fonte. Já estudava na mente planos para fazer uma pipeline diretamente de Sevilha para a minha casa.

- Sim, para isso basta que dês a tua alma. - Respondeu.

- Ó PVD, ele faz ofertas mais interessantes que o seu patrão. - Disse ao PVD espantado com a magnificência da oferta que me tinha sido feita. Eu nunca pensara que a minha alma valesse tanto. Sempre pensei que se calhar daria para um cascol do Benfica, mas para a fabrica da Coca-Cola em Sevilha? Estava, naquele momento, eufórico com a perspetiva. Nisto lembrei-me de que seria melhor verificar as letras pequenas do contrato pelo que arranquei o contrato da mão de Satanás, peguei na minha lupa que uso para ler a documentação relativa ao fisco, e comecei a ler. Nisto li que a minha tortura seria algo absolutamente horrível. "O quê?", perguntarão por certo. Ser esfolado vivo todos os dias? Ser mergulhado em lava de hora a hora? Não! O meu destino, ao aceitar tal contrato, seria mil vezes pior. No contrato dizia que eu seria condenado a beber Pepsi para toda a eternidade.

- Meu caro, recuso o seu contrato. - Disse a Satanás antes que PVD o afastasse com a magnificência dos seus poderes. Ele era o PVD, portanto era melhor que Satanás tomasse cuidado. Tão subitamente como tinham aparecido, Satanás e o seu contrato desapareceram e rapidamente retomamos o nosso plano para recuperar o Espirito Santo. Nisto PVD começou a dar a sua missa, cujo tema, de tão interessante que era, não me lembro. A meio da missa começamos a sentir uma presença. Sem mais tardar PVD chamou o Senhor para que recolhesse o Espirito Santo. E assim foi, amém. Ao recolher o Espirito Santo, o Senhor dirigindo-se ao PVD disse:

- Eu sabia que não me falharias. Como recompensa, ainda que não te tenha prometido nada, deixo contigo a receita para o Cheesecake divino. Este é o mais importante de todos os segredos que te posso deixar. De facto, criei o Universo e crucifiquei-me a mim mesmo para este dia. Cuida bem deste segredo que contigo deixo.

- Irei cuidar, Senhor. - PVD respondeu emocionado.

- Ah, falando em crucificar-me a mim mesmo. Sabem onde está o meu filho? - O Senhor perguntou-nos.

- Não, não sabemos. Pensávamos que tivesse ido para casa. - Respondi eu.

- Não, não veio. Eu só espero que ele não esteja a fazer aparições ou a transformar-se em hóstias de novo. O meu filho consegue ser tão narcisista. - O Senhor desabafou.

- Tal pai, tal filho. - Space Aye respondeu.

- Bem, se tivermos em conta que são a mesma entidade, sendo entidades diferentes, essa frase nunca fez tanto sentido antes. - Disse, algo divertido agora que tinha assegurado a minha Coca-Cola grátis.

- Muito engraçado, MR. - O Senhor respondeu sarcasticamente antes de prosseguir - Por favor encontrem o meu filho. PVD, bem sei que já fez aquilo que lhe pedi, mas gostaria que me ajudasse mais uma vez.

- Sim, claro, meu Senhor. - PVD respondeu e assim que o fez, o Senhor desapareceu.

- Epá, tens a certeza que não estamos alucinados com a tua droga? - Space Aye perguntou a PVD.

- Cala-te, herege! - PVD respondeu.

Terminada este discussão, nós começamos a procurar Jesus por todo o lado. Viramos a cidade toda do avesso até que o encontramos conversando com Pedro Passos Coelho.

- De facto, eu estou muito satisfeito com o trabalho que estou a fazer. Veja lá que ontem a troika até um biscoito me deu. - Passos Coelho disse satisfeito com ele mesmo.

- O teu patrão trata-te melhor que o meu, e somos a mesma pessoa, que seria de mim se não fossemos. - Jesus respondeu antes de beber mais um gole da Super Bock que tinha no copo.

- De facto é verdade. - Pedro Passos Coelho respondeu satisfeito da vida.

- Mas deixa que te diga que essa troika de que falas não tem muita ambição. - Jesus disse-lhe em jeito de provocação.

- Como assim? - Passos Coelho respondeu um pouco chateado.

- Não lhes fazia mal ter um workshop com o meu Pai. Ele sim, sabe como infligir dor e desespero. - Jesus explica.

- De facto o seu Pai tem uma grande reputação entre nós que estamos neste meio. E que faria eu para que a minha parca popularidade não caísse? - Passos Coelho questionou.

- Ah, não te preocupes. O meu Pai fez coisas bem piores do que esse teu governo, e é adorado um pouco por todo mundo e visto como um Deus de amor. É tudo uma questão de marketing. Eu depois dou-te o contacto do nosso agente de marketing, se quiseres. - Jesus disse.

- Sendo assim, fico-lhe grato. Terei agora que me ausentar. Se me permite, até uma outra vez. - Passos Coelho disse antes de sair.

Assim que Passos Coelho saiu, nós aproximamos-mos de Jesus que vendo-nos perguntou:

- Então já encontraram a coisa?

- Já. Já está com o seu Pai. - Respondi eu observando o estado de embriaguez de Jesus.

- Jesus, o seu Pai quer que você regresse. Afinal já passa em muito da sua hora de deitar. - PVD disse a Jesus.

- Tem que ser? - Jesus perguntou.

- Tem que ser. - PVD respondeu assertivamente.

- Não me apetece. - Jesus exclamou.

- Se não o fizer, ele vai crucifica-lo de novo. - Eu disse-lhe.

- Ok, suponho. - Jesus disse deixando-nos para partir para o além de onde tinha vindo.

No dia seguinte contei tudo a AR cujo paradeiro na altura dos eventos me era convenientemente desconhecido. Incrédulo com aquilo que lhe tinha contado ele virou-se e disse-me:

- Sim, sim, queres mesmo que acredite nisso?

- Ah, esquece. - Disse, desistindo do tópico. Afinal tais eventos são de facto demasiado estranhos para que neles se acredite. Tanto é que mesmo depois de presenciar tudo isto, quer eu quer o Space Aye continuamos ateus. O que se pode dizer? Manias...

A Arte de coçar a micose

By : JF


AVISO - Os Gárgulas são profissionais treinados em coçar a micose, não experimente nada disto. Deixe isto para os profissionais.

Um artigo do msn considera "Coçar a micose" uma arte, fazendo deste país um país de artistas, e nós os Gárgulas os Picassos, Da Vincis e Van Goghs desta nova arte.
Enquanto que no artigo do MSN usam duas páginas para vos explicar como se relaxa, tendo em conta que eu sou um mestre nesta arte, vou vos ensinar a serem mestres como eu.

  1. Faltar ás aulas e/ou ao trabalho para se ficar em casa sem fazer nada.
  2. Ser despedido - Se fizeste o passo 1, este deverá ser automático, já ser expulso da escola é uma tarefa mais difícil, contudo não será necessário.
  3. Dizer não a todas as oportunidades quer de trabalho quer de saídas com amigos, etc.
MR - Hmm... interessante, e como é que um faria para pagar as contas? (ainda cético).

JF - Que falta de sensibilidade para com esta arte... nem digas que és cronista neste blog, a beleza desta arte é mesmo qualquer um a poder praticar neste país, é fácil pedes o fundo de desemprego.

Space Aye - Ah, já topei uma lacuna, e se o individuo nunca tiver trabalhado?

JF - Se o individuo nunca tiver trabalhado? A sério? Então... pede o rendimento minimo...

AR - (sai da casa de banho) Isso é muito complicado, tanta burocracia...

PVD - Podem sempre optar pela vida da Igreja e virarem padres meus filhos, dão meia dúzia de espetáculos por semana (missas).

Space Aye - Lá estás tu a tentar converter-nos, não consegues pá! Resisto há mais de 15 anos não seria agora que me ias converter...

AR - Ainda pro cima teríamos que viver uma vida de santo...

PVD - Vida de santo? Tolices meu filho...Podeis é viver uma vida pecaminosa, e ainda ires para o céu, é uma das regalias em ser padre, podemos pecar à vontade que temos desconto.

MR - Pois...Não me parece...

JF - Prova! Comete um pecado!

PVD - Neste momento estou a tentar-vos a cederem à minha religião, mais duas vezes e estou ao nível do Diabo quando tentou Jesus. Outra coisa... (saca uma garrafa de vinho do bolso).

JF - Ena, trouxeste vinho! (JF vai buscar copos para todos, excepto MR que não bebe nada que não seja coca-cola).

PVD - Tomai todos e comei: isto é o meu corpo que será entrege por vós... (tirou óstias do bolso e deu uma a cada um).

AR - Põe mas é um bocado de vinho se faz favor... (erguendo o copo enquanto que PVD abria a garrafa).

PVD - Tomai, todos, e bebei: este é o cálice do meu sangue, o sangue da nova e eterna aliança que será derramado por vós e por muitos, para remissão dos pecados. Fazei isto em memória de mim. (servindo-se e bebendo um cálice de vinho).

JF - Então e nós? (com esperança que PVD se tivesse esquecido).

PVD - Exato...E vós? Perguntais bem JF, pois eu não só acabo de vos mentir ao dizer que isto é o meu sangue, a cor é um bocado parecida porque isto é vinho tinto mas de resto...Também vos minto dizendo que isto será derramado por todos vós para remissão dos pecados.
O vinho foi derramado por todos vós? Não! Só o derramei no meu copo, e ora ai está o segundo pecado mortal, "gula" (bebendo meia garrafa de golada).
Ao mentir quebrei também um dos 10 mandamentos, "Não levantarás falsos testemunhos".

AR - Mas tu bebes vinho e nós não!? (AR irado).

PVD - Exato, vêem o AR percebeu, está a manifestar o quarto pecado mortal "ira" e a quebrar o 10º mandamento "Não cobiçarás as coisas do próximo". Quereis ver eu só com uma ação cometer dois pecados?

MR  - Cada vez acho a religião católica mais interessante!

PVD - Pois é  meu filho, já agora não quereis doar uma esmola para ajudar nas obras da Igreja?

Space Aye - Já cá faltava o peditório para as obras da Igreja...

JF - Mesmo, está sempre em obras a tua Igreja...

PVD - Vêem, ora cá está a avareza pois a Igreja está cheia de dinheiro e eu ainda assim vos peço mais. E também a preguiça, pois devia era trabalhar para ganhar algum em vez de vos pedir.

AR - Ena, e estás mesmo absolvido dos teus pecados?

PVD - Claro, e absolvo os vossos se se juntarem á minha Igreja. Que o Senhor esteja convosco, digam comigo "Ele está no meio de nós".

Nisto Space Aye avança para a garrafa de vinho, mas PVD já á espera disso agarra no gargalo da mesma não permitindo que Space Aye a leve.

Space Aye - Dá cá o vinho!

PVD - Ele está no meio de nós! Aceita o senhor, meu filho! (salpicando-lhe água benta para a testa, que fez com que ele se afastasse com medo e com a testa queimada).

MR - Tendo em conta que eu não me interesso por vinho qual a vantagem em ser católico?

PVD - Meu filho, quando faleceres, á tua espera encontrarás 40 latas de coca-cola virgens.

MR - Virgens?

PVD - Sim, ainda fechadas...

MR - Onde é que me inscrevo!? (entusiasmado).

PVD - Não precisas de te inscrever meu filho... anda cá que eu batizo-te (abrindo uma lata de coca-cola, derramou a sobre a cabeça de MR seguido de meia dúzia de orações).

MR - Continuo na mesma sem acreditar no senhor, mas mais vale prevenir do que remediar...

PVD - Rua! Desaparece antes que te desbatize meu filho!

Conclusão: A arte de coçar a micose não é para qualquer um, e vamos todos parar ao Inferno, e mesmo ali á beira do Hitler e do Bin Laden estará o autor deste post.











Justin Bieber: O Apanhador de Sabonetes (Jogo)

By : JF

Vem para a cadeia apanhar sabonetes com o Justin Bieber. Como sabem, o vosso cantor preferido foi para a cadeia por conduzir sem carta e andar a fazer corridas em Miami. Nós aqui nos Gárgulas como estamos sempre em cima do acontecimento, lançamos um pequeno jogo sobre as aventuras do Bieber na prisão. Partilhem e comentem o número de sabonetes que conseguiram apanhar :)

O governo acabou com o humor!

By : Space_aye


Caros leitores, tenho uma coisa muito importante e ao mesmo tempo muito triste para vos comunicar. Eu sei que Portugal já está muito abalado com todos os cortes orçamentais que o governo tem vindo a fazer. Já começaram a acabar com a saúde, com a escola pública, com a cultura, com a ciência, com as forças de segurança, com os subsídios, com as reformas...E agora amigos leitores, agora até já acabaram com o humor! Pior, amigos, pior é que não está a ser aos poucos...pior é que foi de uma golpada só! De uma só vez, aboliram o humor no nosso país! Não foi sequer aprovado no Parlamento, nem mesmo por decreto-lei! Não houve uma única reunião de Conselho de Ministros para desencadearem esta medida. Eu nem sei sequer se os membros do governo falaram dela entre eles em privado. A única coisa que sei é que terminaram com o humorismo! Arruinaram a nossa profissão. Sabem como? Com uma...simples....piada.
Nem queiram saber, é grave demais, vão ter pesadelos! Vão ser levados à loucura! Não, não queiram saber! Porque nós não queremos ser responsabilizados pelos efeitos que a descoberta possa causar...
O JF está de cama à uma semana. Não se levanta nem fala com ninguém. Tem a cabeça enterrada na almofada.
O PVD levitou lá para cima, pra junto de Nosso Senhor e já não desce à Terra à duas semanas (eu sei que ele nunca cá posta, mas sem o ver nós também não podemos fazer posts. Os últimos posts do JF foram feitos pela mãe dele, é por isso que estão tão maus).
E eu, amigos, eu comecei a embebedar-me constantemente, e até já comecei a fumar!

É que...´mau demais. Nem tenho palavras para descrever esta tragédia! Não há salvação possível! Venha a austeridade, venha a toika, venha tudo! Mas isto não, por favor, isto é mau demais...foi mau demais!

Querem mesmo saber não querem?! Está bem, mas não digam que eu não avisei...!





Menu Secreto no Mc Donald's!?

By : JF
Para vocês verem que quando Os Gárgulas vão ao Mc Donald's têm tratamento especial, passemos a analisar o talão de uma refeição nossa.


Ah pois é, não é qualquer um que tem acesso ao "Não, obrigado!", quanto mais a dois "Não, obrigados!", é preciso ter uma certa classe para ingerir produto de tal qualidade.
Querem saber o que é o não obrigado? Duvido que estejam preparados para tal descoberta pois não é qualquer um que consegue compreender este produto. 
Aqueles mais sensíveis sugiro que fechem este separador.
É necessário um certo estatuto não só como pessoa, mas também a nível espiritual para que vos "ofereçam" isto no Mc Donald's. Porque não ofereceram nada, foi 0.00 euros, mas ainda paguei 23% em IVA.
Ou isso, ou quando um funcionário te perguntar "Quer café?" basta responderes que não, e já te aparece o "Não, obrigado!" no talão.
Amanhã, vou lá tomar café, e senão vier registado "Sim, por favor!" peço o livro de reclamações.


Elemento Alpha: A verdadeira história

By : JF


Para quem não conhece o Hélder, ele é um youtuber português que decidiu começar a escrever. E sim, ele sabe escrever.
Como fã do Hélder, e uma pessoa que já o "conhece" pelos seus vídeos, é muito fácil de imaginar como será este livro. Aliás nem precisei de imaginar, pois tive acesso a um excerto...

Após David Álvares Cabral, antigo operacional do grupo de operações especiais da PSP descobrir que quem estava por detrás do mistério todo da nossa origem era o seu mestre de cardiolavoura e a vaca Miquelina a sua única opção era fugir, até que...

"Pare ai quieto ninguém pode saber este segredo, seu besugo...senão dou-te um tiro na cabeça com a minha shotgun!" Disse o mestre de cardiolavoura apontando-lhe a sua arma.

"oh... Shotgun, what's your name? thank you very nice! tu sabes falar inglês, até parece que tiveste aulas no Wall Street Institute" David disse a primeira coisa que lhe veio à cabeça.

"Ó home a sério!? eu falo bem inglês? dá cá um abraço" Diz o mestre, atirando a sua arma para o chão.

 Como é óbvio aquilo não é um excerto do final do livro, eu não tenho dinheiro para comprar o livro porque nunca vi uma moeda de 2 euros na vida. Mas se o livro fosse mesmo assim como imaginei, compraria 10.000 cópias e financiaria a produção do filme.
Agora com toda a seriedade, este post foi feito a pedido do Hélder (não foi nada), que tem uma média de milhares e milhares de visualizações nos seus vídeos, blog etc. Mas precisa imenso das nossas setenta e tal visualizações diárias.
Agora mesmo, mesmo a sério, procurei pelo livro por toda a parte no continente, até na secção do peixe procurei pelo livro e nada... até que me lembrei... epá, vou à Bertrand, onde me disseram "Esse livro só está disponível nos Açores".
Perguntei-lhe se o livro era bom, e ela - Há piores...
E eu - Ah pois há... muito piores... e dei-lhe o endereço dos Gárgulas.

PVD - E como é que encomendamos, o livro? vais acabar o post sem dar essa informação meu filho?

JF - Como é que encomendamos o livro? oh tu falas muito bem Helfimedês, até parece que visitaste o http://www.helfimed.com/2013/12/ElementoAlpha.html

19 Coisas que não deves fazer antes de morrer!

By : JF
Acho piada aquelas listas de coisas que deves fazer antes de morrer, por isso pensei em fazer uma do que não deves fazer antes de faleceres.


  1. Ouvir um álbum do Justin Bieber
  2. Ver a Casa dos Segredos.
  3. Ouvir um álbum dos One Direction.
  4. Dizer Yolo.
  5. Usar óculos falsos, só para o estilo.
  6. Estragar o final de um(a) série/livro/filme/jogo a alguém, dizendo o que vai acontecer.
  7. Postar algo no Facebook só para chamar a atenção. Do tipo "Preciso de tar sózinha, não falem comigo".
  8. Tirar uma fotografia a fazer cara de pato (duck face).
  9. Ver a trilogia do Batman, de Christopher Nolan.
  10. Criar uma Boys band, pois nunca terás uma banda tão boa quanto esta.
  11. Criar uma conta no Facebook. - Deixas de ter vida rápidamente
  12. Criar um blog.
  13. Escrever uma carta ao coelhinho da Páscoa. Os coelhos não sabem ler, escreve antes uma ao Pai Natal.
  14. Dar meia dúzia de pancadas a uma aranha porque não morreu à primeira. Dá-lhe mais, e para te certificares mesmo que não te volta a incomodar arranca-lhe as patas e queima-a viva.
  15. Fazer uma corrida com um cão. Não vale a pena... já sabes que vais perder...
  16. Enriquecer. A menos que queiras que os teus descendentes se matem a ver quem é que fica com as tuas cuecas cor de rosa, é bom que faleças pobre. 
  17. Perder tempo a criar listas de coisas que as pessoas devem ou não fazer. Deixa isso para a religião.
  18. Comprar iPhone coiso, pois daqui a 6 meses sai o iPhone coiso "S" cuja única diferença vai ser a capa.
  19. Comprar Pepsi.

Como ser péssimo a matemática?

By : JF


Estás farto de ser bom a matemática? Queres ser como eu e não dar uma pra caixa? Basta usares uma técnica que todos os maus alunos a matemática utilizaram. Técnica esta passada de gerações em gerações.
Só tens de acreditar nestas palavras

 "A matemática é difícil, é uma seca e no dia a dia não uso nem usarei metade do que estou a aprender."

Pratica essas palavras todos os dias em frente ao espelho antes de tomares o pequeno almoço e vais ver como resulta.

Como é que eu sei se isto funciona? Porque eu próprio formei maus alunos a matemática, leiam os testemunhos de clientes satisfeitos.

MR - Eu nem queria acreditar, assim que comecei a acreditar que a matemática é difícil, esta tornou-se mesmo difícil.

Space Aye - Comecei a deixar de ir ás aulas porque aquilo era uma seca, cheguei a faltar para ir ás missas do PVD, sempre é mais interessante ouvir aquelas histórias de fantasia.

PVD - Eu digo-te as histórias de fantasia, seu ateu! É verdade meus filhos... eu fugi da matemática, os números são coisas do diabo!

Como podem ver, o meu sistema tem sucesso infalível, e a melhor parte é que é completamente grátis! Bastou meia dúzia (6 unidades) de pessoas verem a disciplina como um bicho de 7 cabeças, que rapidamente passaram esse conhecimento ás gerações seguintes.
O que eu vendo é um pacote para vos ajudar a lidar com as consequências da vossa decisão:

  •  Contar pelos dedos para Tótós
  •  Técnicas de desculpas para faltar ás aulas: Nível avançado.
  •  Entregar um teste em branco com classe.
  •  O meu cão comeu os meus trabalhos de casa: Intermediário.

Todos estes manuais por:  5,00 + 4,00 x 0.
Se não souberes a resposta para esta conta já estás num óptimo caminho, e como provavelmente não irás a lado nenhum sem matemática incluo uma ficha de inscrição do Mc Donald's para começares a tua carreira a virar hambúrgueres.
Se não te adaptares no Mc Donald's, sempre podes ir para Direito.





Ás vezes aptece mesmo alvejar alguém

By : JF

Um ex-policia num cinema de luxo (sim, também não sabia que existiam cinemas de luxo) passou-se da cabeça ao ver um homem a mandar mensagens. O filme ainda não tinha começado, estava a dar os trailers e o policia alveja o tipo no peito.
A mulher da vitima decidiu pôr a mão à frente, o que resultou no casal perder o filme, o homem faleceu e ela foi para o hospital.
Ninguém pode julgar o policia, pois sei que há muita gente em Portugal que faria o mesmo por ouvir alguém a comer pipocas, e eu pessoalmente faria o mesmo se ouvisse alguém falar durante aquela intro do pato da UCI Cinemas a voar.

E cá nos Gárgulas,  já todos alvejamos alguém, por razões mais sérias, mas já o fizemos... aliás um dos requisitos para se ser cronista neste blog é alvejar alguém. Querem partilhar as vossas histórias?

MR - Ora, não há grande história para contar, eu estava no meu estabelecimento de eleição a almoçar, e quando fui atendido, pedi a minha Coca-Cola como era costume, nisto o empregado de mesa informa-me que as Coca-Colas se haviam esgotado. Até aqui tudo bem, foi só quando ele sugeriu que eu bebesse uma Pepsi que me senti muito ofendido, e como é de esperar tirei a minha pistola do bolso e alvejei-o.

Space Aye - Engraçado... a minha vitima mais recente também foi num restaurante, pedi um gelado de baunilha, e servem-me um gelado de nata... Escusado será dizer que a minha primeira reacção foi tirar a minha arma do bolso e dar um tiro ao homenzinho dos gelados.

PVD - Tsc.. Tsc... Que falta de classe a matar pessoas... mas eu não vos ensinei nada nestes anos todos? 
Certo dia, vesti o meu casaco, sai de casa, e depois de olhar para a esquerda e para a direita e aguardar para que o sinal ficasse verde atravessei a estrada com toda a calma e classe.
Nisto encontro um antigo colega de turma que agora usava óculos. Perguntei-lhe quantas dioptrias tinha, perguntas de idoso... nisto ele responde "Eu vejo perfeitamente bem, os óculos são só para o estilo..." e acho que não preciso dizer mais nada... saco o meu tanque de guerra das costas...

Space Aye - Um tanque de guerra nas costas?

PVD - Saco o meu lança misseis das costas...

MR - Lança misseis...? pois...

PVD - Saco a minha caçadeira das costas....

JF - Caçadeira... ainda assim.... acho pouco provável...

PVD - Eu sou o PVD pá! Saco a minha pistola laser, que só com um raio é capaz de destruir um continente e alvejo o rapaz.

JF - Ah, assim sim pistola laser já acredito... agora estar pra aqui a contar histórias é que não...

PVD - Conta lá tu então a tua história meu filho...

JF - Epá, eu uma vez estava a fugir da máfia Portuguesa.

Space Aye - Máfia Portuguesa?

JF - Sim, deixa-me lá contar a história...

MR - Quanto é que lhes devias?

JF - 50 cêntimos... continuando, estava eu a fugir...

PVD - Devias-lhes 50 cêntimos? E achavam a minha história improvável, a Máfia perseguiu-te por 50 cêntimos?

JF - Deixem-me acabar... por lhes dever 50 cêntimos partiram-me as pernas.

Space Aye - Partiram-te as pernas e conseguias fugir?

JF - Epá fugi de cadeira de rodas... deixa-me terminar o raio da história... lá ia eu por montes e vales de cadeira de rodas, a descer corrimões, e a subir árvores.´

MR - Descer corrimões e subir árvores de cadeira de rodas? (MR interrompeu, mas JF continou).

JF - Até que os 20 tipos chegaram todos de Mercedes, todos do mesmo modelo, saíram de fatinho da Underblue (decidiram economizar nos fatos), apontaram-me todos as suas metralhadoras e disseram:
    "Espero que te sirva de lição, para a próxima já sabes! e agora vais ter de pagar 55 cêntimos". E foi ai que eu tirei a minha arma do bolso e disparei sobre eles todos. Não me perguntem como é que fiz, mas os 500 tipos faleceram logo.

MR - Então não eram 20 indivíduos?

Space Aye - E que razão estúpida de se alvejar alguém... alguma vez cabe na cabeça de uma pessoa, alvejar a outra em auto defesa?

PVD - Concordo com o Space Aye, fiquei muito desapontado contigo meu filho...

JF - Mas eu não os alvejei para me defender... eu alvejei-os a todos foi por não me terem passado factura do empréstimo que lhes pedi pá... é que nem uma factura simplificada se deram ao trabalho de passar.

MR - Epá, que filhos da mãe!

Space Aye - Mesmo... era matá-los a todos...






O Desóculado

By : JF


Antes de mais nada tenho um comunicado a fazer, o Space Aye vai nos abandonar, é com muita pena que estamos aqui hoje para nos despedirmos de um grande humorista, não tão grande quanto o PVD, mas isso também seria impossível.

Space Aye - Eu vou abandonar "Os Gárgulas" desde quando?

JF - Desde já...

MR - Nós tivemos todos uma conversa e chegamos a essa decisão. Todos a favor levantem o braço. (Todos levantaram o braço, até o AR abriu a porta da casa de banho e estendeu o braço para cima... raios, agora não consigo apagar essa imagem da minha cabeça).

Space Aye - Mas... porquê? Eu fiz tanto por este blog... escrevi obras literárias que serão estudadas no 12º ano daqui a uns anos, tais como:

MR - Estudadas no 12º...? 

PVD - Epá também não escrevias assim tão mal...

JF - Mesmo, não te insultes... simplesmente vês demasiado bem.

Space Aye - Vejo demasiado bem?

PVD -  Caso não tenhas reparado, o JF arranjou óculos e agora és o único Gárgula que ainda tem uma boa visão. Em honra aos velhos tempos vamos te dar uma oportunidade... ou vês algo que te danificará a visão e o cérebro de forma irreversível, ou sais dos Gárgulas. A escolha é tua...


Space Aye - Não!!!!!!






- Copyright © Os Gárgulas - Date A Live - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -